A CPI da Pandemia, a adulteração da verdade e o anão moral

A CPI da Pandemia, a adulteração da verdade e o anão moral, escreve Paula Schmitt

Senador faz jogo duplo na comissão! Realidade é falsificada à nossa frente!
03.jun.2021 (quinta-feira) –

Amapa

Senado Federal local da instalação da CPI da Covid, que irá apurar ações e omissões do governo federal na pandemia, além de repasses federais a estados e municípios.

Em 1º de junho, o senador pelo Amapá Randolfe Rodrigues contraditou a médica Nise Yamaguchi ao vivo na CPI da pandemia. A cena ficou tão boa que logo a seguir o político postou o vídeo no seu perfil no Twitter: “Eu gostaria que a citação que vossa senhoria tivesse feito correspondesse à verdade”, disse ele. Segundo Randolfe, Nise estava errada, e o Amapá está se saindo muito mal nessa pandemia. Malabarista e contorcionista sênior no Incrível Circo da CPI, Randolfe chegou a comparar Amapá com o Peru em janeiro. É isso mesmo: com medo de ser pego na mentira usando dados atuais e comparações com Estados brasileiros, Randolfe Rodrigues fez algo que daria inveja àqueles palhaços que retorcem balão de aniversário em forma de animais. Mas a coisa fica bem mais sórdida e menos engraçada nos próximos parágrafos.

 
Com sua conhecida voz fina, abafada por uma máscara que os menos desonrados devem ter imaginado ser útil para esconder o necessário rubor, Randolfe citou seu orgulho por ser amapaense, e mostrou que a dor do seu Amapá era a sua também: “Eu sei o drama da pandemia lá, eu perdi amigos lá. Eu vi e vivi unidades básicas de saúde lotadas, colapso de oxigênio, todas as autoridades buscando de tudo para socorrer vidas”. O que Randolfe não mencionou, contudo, é um daqueles fatos que qualquer CPI honesta já teria trazido à tona, e que nessa pandemia da desinformação é desconhecido de grande parte dos brasileiros: desde o começo da pandemia, o Amapá vem usando o tratamento precoce defendido pelo Inimigo Número Um de Todo Mundo Que Se Preze, Jair Bolsonaro.
 
No mundo-do-avesso em que estamos vivendo, é permitido fingir defender o que se sabe ser errado, e atacar mesmo o que se entende como certo. E Randolfe sabe, e entende. Quem mostrou isso foi ele mesmo. Em uma live que estava no YouTube até ontem, mas que foi retirada do ar depois que eu dirigi mensagem ao senador mostrando sua hipocrisia, Randolfe revela não apenas saber que o tratamento precoce está sendo utilizado no Amapá – ele quer condecorar os agentes de saúde que o utilizam. Deixo aqui o link do Twitter para o vídeo, assim o leitor pode ver o título e a imagem inicial antes de se deparar com a conveniente mensagem de que o vídeo foi retirado do ar por desrespeitar as regras do YouTube (“This video has been removed for violating YouTube’s terms of service”). Por sorte, a deputada Bia Kicis teve a presciência de salvar partes do vídeo e postá-las no seu perfil no Twitter, que eu retuitei antes de conseguir o original, que acabou sendo deletado.
 
“Nós temos aqui 3 excelentes profissionais”, diz Randolfe no vídeo que tentou esconder e do qual outrora teve orgulho, ou ao menos assim declarou. “A razão de tanto orgulho dessa live genuinamente amapaense […] é porque a atuação desses profissionais aqui no Amapá foi decisiva. Nós vivemos uma gravíssima crise humanitária que afeta a todos nós. [Esses profissionais estão aqui] para nos dizer como foi a atuação –eles são responsáveis pelo protocolo médico que foi utilizado em especial pela prefeitura de Macapá e que foi responsável, esse protocolo, por impedir que muitas mais mortes ocorressem no Amapá. Os três, me permitam aqui dizer, são uma heroína e dois heróis amapaenses pelo que eles já fizeram pela saúde do Amapá […]. Quero anunciar nessa live que estarei propondo no Congresso Nacional a entrega de comendas aos 3 por tudo que fizeram para evitar a perda de vidas”. Logo em seguida, a heroína a que Randolfe se refere, a médica Ana Chucre, explica quais são os remédios utilizados na rede pública do Estado [Aviso! Gatilho!]: cloroquina, azitromicina e ivermectina. Nesta reportagem da Agência Pública, o título não deixa dúvida: “No Amapá, ivermectina é ‘menina dos olhos’ contra a Covid-19”.
 
Para quem ainda tem dúvida, ou que questiona a data daquela live (julho de 2020), aqui está ninguém menos que Pedromar Valadares Melo, um dos heróis dos quais Randolfe agora tem tanta vergonha e quis eliminar do seu passado. Pedromar está defendendo o tratamento precoce no final de janeiro de 2021 e ele cita os 4 medicamentos usados na rede pública estadual em todas as cidades do Amapá [Aviso! Gatilho!]: hidroxicloroquina, cloroquina, azitromicina e ivermectina.
 
Vale a pena assistir a essa entrevista. Fica fácil notar como Pedromar, presidente do Centro Médico de Combate à Covid do Amapá, é um daqueles homens que em geral passam por essa existência fazendo a diferença na vida de tanta gente de forma quase silenciosa, trabalhando com afinco, sem tempo ou inclinação para politicagem, focado apenas na sua missão, desprezando a ambição e fraqueza moral que consome tanto do dinheiro público e destrói a fé de quem nele acredita. Eu sei pouco, mas sei com certeza que Pedromar de fato merece uma condecoração pelo trabalho excepcional que está fazendo. Já vi e ouvi elogios ao trabalho desse profissional sendo feito por médicos e cientistas de todas as ideologias, e de diversos Estados do Brasil. Nunca descobri a que partido esse homem pertence.
 
Mas eu não precisaria desses testemunhos para saber que o trabalho de Pedromar tem sido excepcional, porque o Amapá está se saindo muito melhor nessa pandemia do que a maioria dos Estados brasileiros. Não levem a sério as palavras de um semi-homem que se envergonha de trabalhadores honestos, e que hoje renega o que antes lhe orgulhou por pura conveniência política. Acredite ainda menos em quem prefere arriscar a vida de pessoas inocentes para fazer valer seu projeto político. Veja os números você mesmo.
 
Nesta tabela, retirada de um dos sites mais usados por profissionais de saúde e estatísticos, com números oficiais das secretarias de Saúde estaduais, o Amapá tem uma das menores taxas de letalidade do Brasil. Isso significa o seguinte: que entre os que se contaminam com a covid no país, o Estado onde menos se morre dessa doença é o Amapá –em outras palavras, é no Amapá que se tem o maior índice de recuperação de doentes, ao menos até ontem.

O governo do Estado se gabava disso em abril de 2020, quando o Amapá era o 4º lugar na taxa de letalidade. Neste comunicado oficial, o governo do Amapá revela que o estado então tinha a quarta menor taxa de letalidade do Brasil. Quem tentou clicar na página, contudo, notou que a notícia não existe mais, mas é possível saber do que se trata porque o URL (o endereço eletrônico) ainda está aí, e transcreve o título: https://portal.ap.gov.br/noticia/2406/covid-19-taxa-de-letalidade-no-amapa-e-4-deg-menor-do-brasil. O Google Cache, felizmente, permitiu que a página fosse salva do esquecimento. Aqui estão os prints. Leia o que dizia a notícia antes. Veja como agora ela “não existe” mais.

Como acabo de provar, há uma fraude sendo executada sob os olhos de todos nós. E agora, para quem já desconfiava que havia um plano para falsificar a verdade, a desconfiança não é mais necessária –temos certeza de que a realidade está sendo alterada. É crucial que comecemos a fazer as seguintes perguntas: Por quê? A mando de quem? Que motivos sinistros estão por trás da omissão de uma informação tão crucial, como é a de um tratamento que salva vidas, e que até recentemente o próprio Randolfe Rodrigues, o governo do Amapá e seus oficiais mais altos confirmavam que de fato salva? Na semana que vem, vou elucubrar sobre possíveis respostas a essas perguntas. Se eu não for apagada, claro.

Fonte: https://www.poder360.com.br/opiniao/congresso

About José William Vieira

View all Posts

Brasileiro da Bahia que gosta de escrever. Escritor/Jornalista que gosta de abordar o cotidiano do seu ângulo de visão.

Deixe uma resposta

Pular para a barra de ferramentas