Eu, um Zé Mané, Graças a Deus

Eternamente trouxa, esta é minha sina! Acho que, por questão de sorte, colocaram William ao invés de Manoel no meu segundo nome, senão ficava muito na cara. Não sei se a minha manezice é por vocação, dom ou talento. Talvez por voltar a acreditar nas pessoas, recaída que tenho toda vez que leio a Bíblia. Ou então as pessoas perderam a vergonha na cara e todo mundo virou caloteiro.

Praticar estelionato é sinônimo de inteligência e até dá status. As pessoas praticam naturalmente na maior cara-de-pau. Por incrível que pareça, os maiores caloteiros são as pessoas mais solicitadas para eventos sociais, coquetéis e que estão sempre nas colunas sociais. Pessoas que ostentam celular de dois mil reais, tênis do preço de uma geladeira, roupa invocada, mas são pagam o que deve. São incapazes de pagar uma continha de cem reais.

Ultimamente não cobro conta abaixo de duzentos reais, não é pelo fato de não precisar, é que o constrangimento não vale a pena. Cobrar é tão constrangedor quanto ser cobrado. Radicalizar não adianta, o arrependimento vem depois. Ignorar é o melhor remédio. Agorinha mesmo recebi um calote, caí na besteira de adiantar o material sem pegar a grana e a coisa se repetiu.

É assim mesmo, você acredita na pessoa e quando menos se espera recebe o tombo. Fazer o quê? O que não pode é tirar o time de campo. Armou o circo, chamou, cai dentro! É assim que faço. Trabalho e assisto ao espetáculo ao mesmo tempo. Como eles representam bem o papel de pessoa ética e honrada, se melhorasse o sorriso amarelo atingiria a perfeição. Todos exímios atores, representam como ninguém. A cena de certa forma é repugnante, de um macabrismo sem fim, mas todos se interagem muito bem. Até parecem felizes.

No dia seguinte os atores voltam a ser o que são, os safados caloteiros de sempre. A sociedade já se acostumou com tudo isso e segue a vida normalmente, como se vivesse numa sociedade perfeita, linda e abençoada por Deus. É isso!

About José William Vieira

View all Posts

Brasileiro da Bahia que gosta de escrever. Escritor/Jornalista que gosta de abordar o cotidiano do seu ângulo de visão.

Deixe uma resposta

Pular para a barra de ferramentas